Cineteatro São Luiz

Obra do cearense Luiz Severiano Ribeiro encravada no centro histórico de Fortaleza.

O Cineteatro São Luiz foi inaugurado em 26 de março de 1958, com a exibição do filme “Anastácia, uma princesa esquecida”, do diretor ucraniano Anatole Litvak, numa cerimônia que contou com as principais autoridades do Estado e o registro fílmico da Atlântida Cinematográfica, empresa de Luiz Severiano Ribeiro – responsável pelas famosas chanchadas que revelaram artistas como Grande Otelo e Oscarito, entre outros –. A origem de sua construção remonta, na verdade, ao ano de 1938, quando da demolição do Cine Polytheama, que veio a dar lugar ao que, na época de sua inauguração, foi considerado o cinema mais bonito do Brasil.

Esse hiato de 20 anos entre o início da construção e inauguração do Cine São Luiz se deveu ao fato de que grande parte do material constitutivo do equipamento era importada, de origem europeia, o que, com advento da Segunda Guerra Mundial, ocasionou a paralisação das obras, dadas as dificuldades de importação. Terminado o conflito global, foi ainda preciso esperar pelo soerguimento da economia tanto do velho continente quando do Brasil, que atravessava um período conturbado do ponto de vista econômico.

Luiz Severiano Ribeiro

“Entregando o São Luiz ao público cearense, sinto-me feliz de ter podido realizar uma aspiração que sempre tive, de dotar Fortaleza com uma casa de espetáculos à altura do seu progresso e do seu povo”, destacou Luiz Severiano Ribeiro, no programa impresso distribuído ao público quando da inauguração do São Luiz. E acresecentou: “O São Luiz está na vanguarda dos melhores cinemas e com as mais modernas instalações, som e ar-condicionado. Saudando o povo de minha terra, sentir-me-ei reconhecido se meus conterrâneos fizerem do São Luiz o seu cinema”.

Projetado pelo engenheiro civil e arquiteto cearense Humberto da Justa Menescal, formado pela conceituada Escola de Trabalhos Públicos de Paris, contando ainda com a participação de Humberto Monte, José Euclides Caracas e Oscar Dubeux Pinto, o São Luiz chamava a atenção como um dos mais luxuosos cinemas do Brasil, com um hall de entrada em mármore, três lustres de cristais checos, escadarias, carpetes e pinturas imponentes. A decoração lateral do salão do cinema, que parte de referências da art-déco, ressaltando formas geométricas e lineares, além de uma infinidade de cores e texturas, foi concebida por Osório Ferreira e Marcelino Guido Budini, ficando a pintura ambiente a cargo da empresa Shaffer e Harvath.

Durante as décadas seguintes a sua inauguração, o Cine São Luiz permaneceu como um dos principais espaços de entretenimento, cultura e lazer de Fortaleza, abrigando, ao longo de sua história, gerações distintas de cinéfilos. Com o surgimento de novas tecnologias e modelos de negócios, com destaque para os complexos de cinema dos shopping centers, que ocasionaram uma mudança radical do segmento exibidor em todo o mundo, o Cine São Luiz entrou numa rota descendente.

Em 1991, o Governo do Estado do Ceará tombou o cinema como patrimônio histórico e cultural.

Chegado o ano de 2007, diante do agravamento da crise, o Cine São Luiz, que até então havia sido administrado pelo Grupo Luiz Severiano Ribeiro, foi arrendado à Federação do Comércio do Estado do Ceará, passando a funcionar como Cine São Luiz – Centro Cultural Sesc Luiz Severiano Ribeiro.

Em 2011 o prédio do Cine São Luiz foi adquirido pelo Governo do Estado do Ceará .

12 momentos da reforma e restauro

Documentário

Assista o documentário sobre a história do São Luiz: