Jonnata Doll & Os Garotos Solventes fazem show do álbum “Alienígena”, lançado esta semana, no Cineteatro São Luiz

O disco foi lançado no dia 21 de agosto e tem a produção de Fernando Catatau.

“Alienígena” é o terceiro álbum da banda “Jonnata Doll & Os Garotos Solventes” e traz uma visão singular de São Paulo, a partir de dez canções sobre o que Doll viu e sentiu. Ele desvela a capital aos sentidos de quem chega, nas diversas narrativas que figuram em seu imaginário e que buscam a autobiografia sempre dentro da relação com o outro. O show ocorre no dia 29 de setembro (domingo), às 18h, no Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), e está com ingressos à venda por R$30 (inteira) e R$15 (meia) – na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus.

Jonnata Doll & Os Garotos Solventes fazem música baseada na subcultura punk e na biografia dos excluídos, mostram rock em estado bruto – como dizem. Nos palcos, a performance da banda é intensa e visceral, de quem desnuda a alma. Jonnata andrógino, canta, dança, cai, arrasta-se no palco. Ele também assumiu os vocais na recente turnê da banda Legião Urbana. 

Em 2018 a banda ganhou o Prêmio Governador do Estado de São Paulo na categoria música, o que os possibilitou investir em seu terceiro álbum, um que lhes permitissem experimentar mais, dentro e fora do universo cult, que vai de Álvares de Azevedo a William Burroughs, respira do pós-punk a Belchior.

Jonnata Doll & Os Garotos Solventes 

Surgida em 2009 em Fortaleza (CE), residente em SP, o quinteto Jonnata Doll & Os Garotos Solventes traz uma música baseada na subcultura punk, na biografia dos excluídos e a experiência de pele na cidade. Nas letras das composições de Doll, desfilam figuras reais que poderiam estar em crônicas do Dalton Trevisan tanto quanto em notícias policiais. 

Produzido por Yuri Kalil (Cidadão Instigado), o primeiro disco homônimo teve lançamento em 2014 e boas críticas em várias publicações especializadas, assim como o segundo trabalho lançado no final de 2016: “Crocodilo”, produzido por Kassin e Kalil. Neste disco a banda buscou expandir o conceito do seu som a partir de referências ibéricas e pós-punks. 

Alienígena

O álbum traz dez canções que buscam a autobiografia sempre dentro da relação com o outro. O cantor muitas vezes se coloca no mesmo lugar de quem escuta, observando junto a história se desenrolar. Entre elas temos o primeiro single do disco: Trabalho Trabalho Trabalho (letra e música: Jonnata Doll).

“Trabalho, trabalho, trabalho!”, diz incisiva a voz de locutor numa propaganda de rádio, através dos fones diretamente para o ouvido de nosso herói anônimo, forçado a vestir um terno no sol quente e encarar a mesma rotina de idas e vindas em ônibus e metrôs lotados, mais as horas intermináveis no trabalho, de segunda a sábado. Para matar a solidão e o tédio ele enche a cara com a bebida mais barata e gasta todo o tempo de folga jogando videogame e assistindo séries de heróis.

A música que narra essa história é formada por uma levada ondulante e repetitiva, cheia de camadas de ruídos e teclados em sintonia com a rotina de nosso “herói” trabalhador. O refrão é uma quebra explosiva do padrão sufocante do verso propagado no intervalo comercial das rádios de rock.

SERVIÇO

Jonnata Doll & Os Garotos Solventes 
Dia 29/09 (domingo), às 18h
Classificação indicativa: 16 anos
Duração: 90 min
Entrada: R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia) – limitação de 40% da meia-entrada
Ingressos à venda na bilheteria do Cineteatro e no site da Tudus (https://checkout.tudus.com.br/cineteatro-sao-luiz-jonnata-doll-e-os-garotos-solventes–alienigena/selecione-seus-ingressos).