LÁ VEM O TREM, LÁ VEM O TREM DA ALEGRIA

Atualizado: Jun 10

Por Duarte Dias, Curador e Programador do Cinema do Cineteatro São Luiz


“Música e futebol

Amores da minha vida

É como a lua e o sol

O coração e a batida”



É com essa quadra que Moraes Moreira, o eterno novo baiano, inicia seu depoimento no documentário “Trem da Alegria – Arte, Futebol e Ofício”, do cineasta Francis Vale, obra reveladora da trajetória de um emérito time de futebol formado por um grupo de jogadores profissionais e artistas da música brasileira (e também de outras linguagens) que, em plena ditadura militar, conseguiu escrever um dos capítulos mais solidários, criativos e instigantes da cultura brasileira.


De fato, a música e o futebol - assim como a ideia de liberdade - permeiam todo o documentário, cujo mote primeiro é dado por Francis Vale, na contracapa do DVD do filme: “Essa história começa mais ou menos onde termina o filme ‘Passe Livre’ (1974), de Oswaldo Caldeira. Afonso Celso Garcia Reis, o Afonsinho, em disputa judicial com o Botafogo de Futebol e Regatas, do Rio, ganhou um samba homenagem de Gilberto Gil e o direito de jogar no time que quisesse.”


A partir desse acontecimento, corroborado pelo depoimento do próprio Afonsinho e de personalidades como Paulinho da Viola, Serginho Redes, Raimundo Fagner, Ney Conceição, Paulinho Boca de Cantor, Capinam, Fausto Nilo e o citado Moraes Moreira, entre outros, o documentário de Francis Vale oferece um amplo painel não só dos perigos e dificuldades daquele período de exceção política no país, mas também dos mecanismos de superação encontrados e proporcionados pela cumplicidade, amizade e respeito existente entre aqueles que fizeram do “Trem da Alegria” um precursor da “Democracia Corinthiana” de Sócrates, Casagrande, Vladimir e Zenon, outro importante momento esportivo e social no âmbito da retomada do processo democrático no Brasil.


Essa união e solidariedade entre os personagens que fizeram a história do “Trem da Alegria” encontra particular tradução nos depoimentos de Fagner e Moraes Moreira, onde ambos, em tempos distintos da narrativa, situam a insegurança e a angústia de suas trajetórias artísticas e pessoais e o apoio decisivo que receberam de Afonsinho e do “Trem” naqueles momentos de transição, algo que, somos levados a crer, mudou para sempre - e para melhor - a trajetória de cada um deles.


Marcante também é a fala de Paulinho da Viola ao traçar um panorama da época e o papel do “Trem da Alegria” naquele contexto, salientando, de maneira clara e incisiva, o cerceamento da liberdade individual e coletiva daquela geração, em especial quando da radicalização do golpe de 1964, expresso pela publicação do Ato Institucional Nº 5, ou AI-5, como ficou conhecida a arbitrariedade.


“Trem da Alegria - Arte, Futebol e Ofício”, lançado na 40ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2016, foi o último filme de Francis Vale, que viria a falecer em dezembro de 2017, aos 72 anos, vítima de um câncer.


Resultante da obstinação e do esforço pessoal e derradeiro desse múltiplo artista paraense que adotou o Ceará como sua terra, “Trem da Alegria - Arte, Futebol e Ofício”, mesmo sem contar com o apoio de nenhum edital de fomento ou de um patrocínio digno da envergadura e importância da obra - algo que se reflete em alguns aspectos técnicos do filme -, consegue extrapolar a natureza do registro documental para se constituir em um legado, uma espécie de bússola para os dias atuais, quando a sombra putrefata do autoritarismo e da opressão volta a pairar sobre a democracia brasileira.


Em pé, da esquerda para a direita: Ailton Pelé, Marcio, Dedé, Fagner, Zorba Devagar, Marcolino e Cadô. Agachados: Moraes Moreira, Abel Silva, Paulinho da Viola, Afonsinho, Gato Félix e Cristiano.


O filme "Trem da Alegria - Arte, Futebol e Ofício" de Francis Vale será exibido no dia 11/06, às 20h, no canal do Youtube do Cineteatro e aqui no site.

CINETEATRO SÃO LUIZ
Rua Major Facundo, 500 - Centro | Fortaleza - Ceará |  CEP: 60025-100

Bilheteria: (85) 3252.4138
De Terça a Sábado – 10h às 18h30

© 2020 – Cineteatro São Luiz |  Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: Ascom Cineteatro São Luiz

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube
  • Telegram
  • Whatsapp