Mostra de Teatro “Mulher é Resistência” abre o mês de março do Cineteatro São Luiz

Atualizado: 28 de fev.

Entre os dias 02 e 05 de março, o equipamento cultural traz quatro espetáculos de teatro que tecem narrativas onde o centro é a mulher. O evento marca o mês da mulher, do teatro e de aniversário do Cineteatro. A entrada é gratuita.



Em março, o Cineteatro São Luiz faz aniversário. O equipamento da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult Ceará) gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM) completa 64 anos dia 26 e já começa o mês comemorando essa existência, forjada no coração de Fortaleza, exaltando o significado da resistência, expressada nas artes e na potência da mulher. No mês dedicado à mulher e ao teatro, o São Luiz apresenta a Mostra de Teatro “Mulher é Resistência”, que reúne essas duas forças em quatro espetáculos, dentro da programação Curta Mais Teatro.


As peças teatrais tecem a mesma narrativa em diferentes perspectivas. Abordam essencialmente a superação do sistema patriarcal e suas violências por mulheres fortes, que ousaram lutar e resistir, seja de qual forma fosse, transpassando diferentes tempos e territórios, a vida doméstica e a vida política, evocando memórias e ancestralidades.


Com a intenção de provocar inquietações e reais transformações, aliando artes cênicas e feminismo, a “Mostra de Teatro Mulher é Resistência” é um ressignificar de datas e palavras, em que resistir é o lugar comum das três figuras celebradas no mês, a mulher, o teatro e o Cineteatro São Luiz.

A Mostra acontece do dia 2 ao 5 de março, com entrada gratuita para público de 250 pessoas, limite estabelecido pelos últimos decretos do Governo do Ceará para enfrentamento da covid-19. Para entrada no equipamento, são exigidos a apresentação de passaporte com ciclo vacinal completo (incluindo as três doses ou a de reforço, de acordo com a idade ou data de aplicação da última dose), documento com foto e o uso de máscara durante toda a permanência.


Espetáculos


02.03 – 19h (quarta-feira) | Des Amor Daçar – Cia Prisma das Artes

Duração: 35 minutos | Classificação Indicativa: 14 anos


Sinopse: Tendo como ponto de partida o sistema patriarcal, o espetáculo DES AMOR DAÇAR atravessa depoimentos, histórias reais e ficção para falar sobre a opressão e a violência doméstica contra a mulher. São histórias vividas e contadas por um casal de atores-narradores que se entrelaçam com a realidade e com memórias pessoais, repletas dessas amarras patriarcais, para construir, junto ao público, novos horizontes e novos caminhos de luta e resistência. A peça é sobre mulheres, mas é também sobre os labirintos que o patriarcado constrói na sociedade para naturalizar essas opressões e violências.


03.03 – 19h (quinta-feira) | Das que Ousaram Desobedecer – Cia Bravia

Duração: 60 minutos | Classificação Indicativa: 14 anos


Sinopse: Espetáculo da Cia Bravia que fala sobre mulheres cearenses que lutaram contra a Ditadura do Regime Militar dos anos 60 e 70 no Brasil. Rosa da Fonseca, Nadja Oliveira, Ruth Cavalcante, Helena Serra Azul, Rita Sipahi, Beliza Guedes, Jana Barroso são algumas dessas mulheres que tiveram suas histórias de luta marcadas por um regime opressor e cruelmente repressor. As atrizes se deixam atravessar pelas memórias dessas mulheres e tentam reviver as sensações através de suas narrativas.


Sobre a Cia Bravia

Companhia de teatro criada por mulheres artistas pesquisadoras que buscam e acreditam no protagonismo feminino em seus processos criativos, entendendo o teatro como um lugar de construção artística, de encontro e de ação política. A companhia é composta, atualmente, por cinco artistas: Aline Rodrigues, Liliana Brizeno, Herê Aquino, Marina Brito e Marina Brizeno, que se dividem nas funções técnicas e artísticas dentro da companhia.


Um dos principais objetivos artísticos é sempre ter a criação técnica alinhada com a criação cênica e dramaturgia desde o início dos processos de criativos. Foi em 2019, que cinco amigas, artistas da cidade de Fortaleza, que já haviam trabalhado juntas em outras criações artísticas, sentiram a necessidade de realizar um trabalho juntas, novamente. Quando iniciam as pesquisas, no início de 2020, o contexto da pandemia da covid-19 interrompe os encontros presenciais. Então através de encontros virtuais, continuam fortalecendo a pesquisa e o desejo de se tornar uma companhia. Assim nasce a Cia Bravia, por definição, mulheres bravas, revoltas que não se deixam serem domadas.


04.03 – 19h (sexta-feira) | Entre Nós: buzinas, chicotes e ácidos – Coletivo Arremate de Teatro

Duração: 60min | Classificação Indicativa: 12 anos


Sinopse: “Entre Nós: Buzinas chicotes e ácidos” , é um espetáculo do Coletivo Arremate de Teatro de Fortaleza. O espetáculo questiona o lugar da mulher na sociedade, o condicionamento pelo patriarcado, o empoderamento e a Fortaleza Feminina. Quatro atrizes enquadradas por grades de metal. Do céu, objetos ditos femininos estão pendurados por elásticos que vão e voltam sobre as cabeças dessas mulheres. Vestido de noiva, absorvente, batom, cinta modeladora e outros elementos entram em cena para questionar o que, de fato, é ser mulher. Assim está ambientado Entre Nós: buzinas, chicotes e ácido, espetáculo do Coletivo Arremate.


Sobre Coletivo Arremate de Teatro

O Coletivo Arremate é um grupo de Teatro feminista. Formado por mulheres artistas de Fortaleza-Ceará, que são professoras de teatro e dança, atrizes, bailarinas, encenadoras, dramaturgas, musicistas e produtoras, que decidiram assumir em conjunto a resistência no fazer teatral de Fortaleza. As integrantes do grupo dedicam-se a expor o olhar feminino sobre diversos assuntos que as inquietam.


05.03 – 17h (sábado) | TEMPO TEMPORÃO: O Terreiro de Catirina – Direção de Pedro Domingues e Texto de Ricardo Guilherme

Duração: 60 minutos | Classificação Indicativa: 14 anos


Sinopse: “Tempo Temporão – O Terreiro da Catirina” com direção de Pedro Domingues e texto de Ricardo Guilherme é um espetáculo que reverencia a Cultura Popular Tradicional. Centrada na figura da Catirina, vivida por vó e neta, como totem da resistência feminina da cultura popular e suas adversidades, ela celebra e enfrenta, acolhe e incita, entroniza e desafia, transmite e preserva este legado. Assim, de uma geração à outra, esta personagem mítica segue viva, mobilizada por seu desejo. Prenhe de alegria, ela é também, grávida de todos os encantados que fecundam bois, reisados, maracatus, cocos, forrós, quadrilhas, penitentes e todo um universo de resiliência e abundância de significados. Enfim, um desejo de exuberância que motiva o fio de uma existência e que ultrapassa o tempo de uma vida, supera a barreira da morte e revive na descendência que perpetua tradições e esperanças. Tempo Temporão traz Edneia Tutti e Amália Morais num espetáculo de interpretação, que brota das entranhas das atrizes, certamente por residirem ali lembranças e memórias ancestrais das raízes mais profundas do ser mulher que nelas habitam, das meninas que foram, das mães, das avós, das mulheres que são.


Serviço

Mostra de Teatro “Mulher é Resistência” do Cineteatro São Luiz

Quando: 02 a 05 de março de 2022

Onde: Cineteatro São Luiz – Rua Major Facundo, 500, Centro (Praça do Ferreira)