Final da Tarde 

- Grupo Teatro de Caretas

Teatro | Classificação: 12 anos 

Resultado da pesquisa “A cidade como dramaturgia: uma experiência de atuação na rua”, com orientação de pesquisa e direção do espetáculo de André Carreira, Final da Tarde propõe uma vivência de atuação cênica baseada no detalhe da interpretação, onde proximidade e intimidade entre transeunte e atores são os elementos centrais. Um aspecto importante é que os transeuntes não serão previamente informados da peça. Não há palco nem formalidades de início e fim. A história de uma mãe, seu filho e seu marido no dia a dia da cidade invade uma praça, e Final da Tarde se desenrola no instante cotidiano.

 

Revisitando Zefinha 

- 30 anos de Trupe “Caba de Chegar”

Teatro | Classificação: 12 anos 

No ano de 2020, a Trupe ´Caba de Chegar comemora 30 anos em atividade, assim como sua Zefinha, por isso nada mais justo que uma homenagem, revisitando suas histórias, suas memórias e seus atuais e ex-integrantes numa viagem lúdica e divertida, num passeio leve e delicado pelos espaços sagrados do Cineteatro São Luiz. Uma tragicomédia em que o casal Raimundo e Zefinha tentam comprar a tão sonhada casa própria, mas acabam sucumbindo às dificuldades financeiras. 

O espetáculo deu origem a Trupe ‘Caba de Chegar, fez parte da Reinauguração do Theatro José de Alencar e da Reinauguração do Teatro São José. Participou de diversos Festivais de Teatro de Rua, entre eles do VIII Festival Nacional de Teatro de São Mateus/ES, do Festival Nacional de Teatro de Cabo de Santo Agostinho /PE, do Festival Lusófono em Terezina /PI e do Festival Nordestino de Guaramiranga/CE como convidado. Arrebatou prêmios de Melhor Espetáculo, Melhor espetáculo Júri Popular, Melhor Ator, Melhor Atriz e Melhor Cenografia (Adereços)  e na  Mostra Estadual de Teatro Caucaia/CE o prêmio de Melhor Ator. No “Destaques do Grupo Balaio/CE” : Prêmio Especial Teatro de Rua.

FICHA TÉCNICA

QUEM MATOU ZEFINHA?  
DIREÇÃO: Ana Marlene                
TEXTO: Virgínia Lúcia Fonseca
ELENCO: Ana Marlene, Bruno Prata, Claudio Magalhães e Haroldo Aragão                               
Ator convidado: Pedro Domingues  
MÚSICO: Gabriel Moraes       

 

Florbela 

- Daniella de Lavôr, do Grupo Elas de Teatro 

Teatro | Classificação: 14 anos 

"Florbela" nasceu de um sonho antigo da atriz Daniella de Lavôr que, desde 2001, pesquisa e estuda a obra de Florbela Espanca. Mas só em setembro de 2009 esse sonho se tornou realidade dando vida à "Florbela", primeiro solo de sua carreira.

O texto é uma transcriação das cartas e do diário de Florbela Espanca, acrescido de poemas e músicas, onde a atriz revive as dores e a angústia da poetisa. O espetáculo tem agora o acompanhamento de um violonista, pontuando cada passagem. É ambientado numa sala/escritório onde Florbela revive sua vida e suas histórias e se apresenta ao público, despida de pudores, em carne viva.

 

É um espetáculo sobre uma mulher que viveu à frente do seu tempo.

Em Florbela, Daniella de Lavor dá vida a essa poetisa que, de tanto amar, não suportou viver. O espetáculo se passa na sala de Florbela, onde ela escreve cartas de dor e de amor, conversa com ela mesma e convida o público para uma viagem emocionante. Com direção precisa e delicada de Hertenha Glauce, Florbela recebeu indicação de melhor espetáculo e recebeu o prêmio de melhor atriz e melhor texto.

 

os clássicos da palhaçaria 

- Circo do k'os 

Circo | Classificação: Livre 

O “Circo do K’Os – Os Clássicos da Palhaçaria” apresenta reprises clássicas com três palhaços que só se metem em enrascada. Pinguelão, Pipiu e Tramela aprontam uma atrás da outra. Em formato virtual, as cenas do espetáculo se desenrolam com muitas gags e números tradicionais do palhaço brasileiro.

 

imensidão 

- Cangaias Coletivo Teatral 

Teatro | Classificação: 12 anos  | Duração: 17 min

Um grupo de teatro, em meio ao caos de uma pandemia, prepara seu novo espetáculo. Os ensaios de um texto intitulado "O Vício da Imensidão" acontecem por meio da plataforma virtual e vão disparando conflitos e questões pessoais dos atores, onde se borram a vida e a obra, personagem e persona, o real e o ficcional.  

 

annonimos 

- grupo teatro novo

Um lar de idosos. Percorrendo as vias da comédia ao drama, o ator “revive” cenas do cotidiano de três idosos que contam suas histórias e vivem esperando ansiosamente por uma visita. O público é convidado a ser coadjuvante das suas alegrias, tristezas e sonhos que se renovam a cada amanhecer. Aqui o público poderá estar diante da fantástica descoberta de que há uma beleza muito singular na velhice.

FICHA TÉCNICA
Pesquisa, texto, direção e atuação: Sidney Malveira
Supervisão:Ricardo Guilherme
Assistência de direção, design gráfico e produção: Drycca Freitas
Figurinos: Thaís de Campos
Iluminação: Aldo Marcozzi
Realização: Grupo Teatro Novo

 

DE LAS ENTRAÑAS 

- alda pessoa

Entre a sala, a cozinha e ambientes imaginados de sua casa, Dolores, uma personagem plural, versátil e profunda revela relações com outros, com o espaço e com os objetos, corporificando conflitos, instabilidades e emoções. Inspirada na obra do cineasta Pedro Almodóvar, a trama se desenvolve dentro desse arcabouço sentimental e estético de exageros, desejos, dores e paixões.   

 

FICHA TÉCNICA
Direção: João Paulo Lima
Intérprete Criadora: Alda Pessoa
Participação (violão): Pedro Frota
Figurino: Alda Pessoa
Cenário: Alda Pessoa e João Paulo Lima
Iluminação: Izabel Sousa
Direção de Produção e Imagens: Pedro Frota
Contrarregragem e Assistência de Produção: Luísa Bessa

 

COMO DEVOLVER O BRAÇO DO ÍNDIO? - TENTATIVA CÊNICA DIGITAL

- PAVILHÃO DA MAGNÓLIA

Estamos aqui, diante da estátua Índio Liberto, que fica no alto de um portal na entrada do Parque das Crianças. Símbolo da independência do Brasil de Portugal, o monumento é invisível aos olhos dos passantes e sua deterioração ilustra o descaso dos nossos povos originários e nossa história. Cada parte do Índio aos poucos se vai, e é a ausência de um dos braços que nos faz parar e pensarmos para agir. Reunimos aqui nossas respostas à pergunta: Como devolver o braço do índio?

 

FICHA TÉCNICA

Proposição artística e performance: Alessandra Eugênio, Eliel Carvalho, Jota Júnior Santos, Nelson Albuquerque e Silvianne Lima

Colaboração pesquisa: Beethoven Cavalcante, Lawrence Sá, Iago Barreto e Francis Wilker

Encenação e Dramaturgia: Andei Bessa

Criação sonora e Apoio técnico: Eliel Carvalho

Fotos processo: Marcos Paulo e Iago Barreto

Realização: Pavilhão da Magnólia

Produção: Som e Fúria

 

Os tamboretes

- coletivo araras com ghil brandão e joca andrade

As motivações para montarmos Os Tamboretes vêm da vontade de compartilhar projetos artísticos, na esperança de manter pulsante nossa produção criativa. A partir desta montagem, procuramos tratar dos infortúnios provocados por uma sociedade que nos induz ao consumo e ao descarte das coisas e das pessoas. Queremos questionar o sistema que globaliza a miséria e inviabiliza o usufruto das conquistas científicas e sociais. Os ilustres afortunados e os poderosos instalados na máquina pública são alvo da crítica dos personagens. Encontramos em Eugène Ionesco, com seu “teatro do absurdo”, a pólvora que nos acendeu a vontade de estar no palco. Suas Cadeiras nos serviram de trampolim para montarmos Os Tamboretes. Através da sua obra, o dramaturgo romeno nos possibilita questionar estados de indignação pelo viés do absurdo, pois distorce o “real” na tentativa de nos despertar para os equívocos de realidades construídas pela ignorância humana.

 

O Ano que Não Acabou

- Grupo Expressões Humanas

A peça de Emmanuel Nogueira, premiada nacionalmente em 2002, visita às duras memórias do período da ditadura militar brasileira. Sob o ponto de vista daqueles que não tinham um envolvimento direto na luta contra o regime, mas que perderam parentes e amigos, o texto conta a história de uma mãe que confina a vida no quarto do filho Pedro, jovem revolucionário, que é preso, torturado e desaparece nos porões do regime ditatorial. Um espetáculo que procura criar uma relação direta entre o passado e o presente para que não se esqueça. Para que nunca mais aconteça.

 

ch@furdo!

- Orlângelo Leal, Paulo Orlando e Ângelo Márcio

Em Ch@furdo, três irmãos se reúnem para realizar uma apresentação musical improvisada com a maioria dos instrumentos feitos de materiais alternativos. Ao longo do espetáculo, vão descobrindo, junto do público, diversas formas de composição musical. O irmão mais velho tenta a todo o momento reger e organizar a apresentação, façanha que se torna difícil uma vez que o irmão mais novo sempre se desconcentra atrapalhando os números e deixando o irmão do meio entre a obrigação e a brincadeira. Chafurdo, que significa caos, descontrole, algazarra e festa é o que proporciona os musicômicos Orlângelo Leal, Ângelo Márcio e Paulo Orlando, provocando o público com música excêntrica e outras surpresas. Um espetáculo livre para todos os públicos.

Ficha técnica 
Roteiro e Direção: Orlângelo Leal
Figurinos e Adereços: Joélia Braga

Elenco: Orlângelo Leal, Paulo Orlando e Ângelo Márcio

 

AQUELAS que não estão

- Grupo Manada Teatro 

O espetáculo “Aquelas - Uma dieta para caber no mundo”, da Manada Teatro, circulou no ano de 2019 por todo Brasil, passando pelas principais casas de espetáculos do país dentro do projeto Palco Giratório (Sesc). Em todo esse trânsito, que também é material de investigação do coletivo, o grupo passou por diversos “Teatros – Patrimônios” espalhados Brasil à dentro, observando e sentindo a importância desses espaços para a o fortalecimento cultural do seu povo e na discussão de temas da atualidade. Dentro de tudo que foi sentido e inspirado durante o processo de turnê, passando pelo momento de isolamento social que nos atinge nesse momento, a Manada propõe “Para AQUELAS que não estão mais”, um experimento audiovisual à partir do espetáculo “AQUELAS - Uma dieta para caber no mundo”, que gera uma provocação pertinente acerca do isolamento social e as inúmeras violências domésticas cotidianas decorrentes disso.

 

O experimento ocupará toda área do Cineteatro São Luiz, fragmentando o pensamento e a obra de arte em consonância com ausência do público nesse momento, trazendo à tona o vazio e o silêncio da sociedade diante dos inúmeros casos de violência e feminicídio ocorridos nesse momento, e sempre. Ressignificaremos, assim, não só a obra, mas o fazer artístico e sua práxis dentro da arquitetura do espaço. Desse modo a Manada Teatro vem contribuir com o pensamento de uma sociedade mais justa e livre do pensamento patriarcal e violento. 

 

Frei Tito: vida, paixão e morte

- grupo formosura de teatro 

Escrita entre 1983 e 1985, a peça documenta a trajetória e o ideário de Tito de Alencar Lima (1945 -1974), dominicano cearense, militante contra a ditadura militar no Brasil dos anos 1960 e 1970, preso político torturado e banido de seu país, jovem exilado que na França suicida-se. O texto, uma espécie de reportagem teatral, aborda para além da biografia de Frei Tito fatos marcantes relativos à geração que, no Brasil, encarnou a vanguarda de uma militância revolucionária de esquerda. 

 

Frei Tito: Vida, Paixão e Morte menção honrosa no Concurso Internacional de Obras Teatrais do Terceiro Mundo (UNESCO-Caracas,1987), resulta de pesquisa que envolve a consulta aos livros Batismo de Sangue, de Frei Beto, Fora do Campo, de Raniero La Valle e Um Homem , de Oriana Falaci.

 

FICHA TÉCNICA:

Texto: Ricardo Guilherme

Direção; Graça Freitas

Elenco: Leonardo Costa, William Mendonça e Maria Vitória

Direção Musical: Rami Freitas

Montagem: GRUPO FORMOSURA DE TEATRO

Classificação: 12 anos

 

(desmontagem) Em Casa de Ferreiro o Espeto é de Ferro

- edceu barboza 

Inspirado na vida e na arte do Mestre Raimundo Aniceto, da Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto, e no saber e fazer de Maria de Lourdes, costureira e bordadeira, o projeto costura uma travessia que conecta memória, ancestralidade, arte popular e cultura, para narrar a sabedoria e grandiosidade de nossos mestres.

Disforia: Isso é tudo que você precisa saber agora

- Coletivo Dama Vermelha

Episódio 1

Episódio 3

Episódio 2

Episódio 4

O PodTeatro é uma versão contemporânea do drama radiofônico, amplamente conhecido como radionovela. A radionovela teve seu período áureo no Brasil entre os anos 40 e 50, e era um entretenimento popular no difusor mais potente de comunicação da época, o rádio; anteriormente, em meados dos anos 30, já eram apresentados os “teatros em casa”, os “radiatros” e esquetes teatrais em emissoras de rádio brasileiras. Com a chegada do cinema e da televisão, as radionovelas perderam um pouco seu espaço, mas com o avanço tecnológico do século XXI, a efervescência da cybercultura e o surgimento de novas mídias, essa linguagem artística vem sendo ressignificada, ganhando outros espaços, contextos e dimensões. 

 

Surge, então, o projeto “Damaflix: Plataforma PodTeatro”, um espaço de investigação/experimentação em criações cênico-auditivas, inspirado no significativo histórico das radionovelas e suas atualizações na contemporaneidade. A série inicial do projeto intitula-se “Disforia”, tendo, a primeira temporada, o subtítulo “isso é tudo que você precisa saber agora”. A série reflete o período de suspensão de atividades artísticas a partir das perspectivas de personagens presentes nos espetáculos do repertório do Coletivo Dama Vermelha; as personagens se encontram, inesperadamente, em um lugar desconhecido, em contextos deslocados de seus espetáculos originários, sendo impelidas à descoberta de onde estão e o que (e por quê?) está acontecendo com elas. Mesmo em período de isolamento, essas personagens são convocadas à atuação sob novas perspectivas, refletindo as inquietações de seus/suas artistas criadores/as e a incessante necessidade de produzir, mesmo que a distância, mesmo que por meio de reinvenções; reinvenções que afloram a descoberta de outras possibilidades e caminhos à criação, às artes.

 

O Boi Estrela

- Grupo Formosura 

“O Boi Estrela” é uma fábula nordestina e o resultado de uma pesquisas realizada pelo grupo Formosura sobre o boi no Ceará: Mateus, capataz de confiança do poderoso Capitão Melancia, recebe a ordem de tomar conta do Boi Estrela na ausência do patrão. Quitéria, mulher do Capitão, faz uma aposta com o marido tentando convencê-lo de que Mateus é mentiroso. Aproveitando-se da ingenuidade de Catirina, mulher de Mateus, Quitéria a induz a comer a língua do pobre boizinho e Mateus, ao tentar saciar o desejo da esposa grávida do décimo terceiro filho do casal, acaba em uma enrascada.

 

O Grupo Formosura de Teatro é oriundo do Grupo Independente de Teatro Amador “GRITA”, que nasceu em 1985 no cenário artístico cearense. Desde sua fundação mantém uma produção sistemática de montagens teatrais com atores e bonecos, assim como uma pesquisa estética que avança no sentido de investigar e experimentar as variadas possibilidades da relação ator/boneco em cena e em diálogo constante com erudito e o popular.

CINETEATRO SÃO LUIZ
Rua Major Facundo, 500 - Centro | Fortaleza - Ceará |  CEP: 60025-100

Bilheteria: (85) 3252.4138
De Terça a Sábado – 10h às 18h30

© 2020 – Cineteatro São Luiz |  Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: Ascom Cineteatro São Luiz

  • Facebook
  • Instagram
  • Twitter
  • YouTube
  • Telegram
  • Whatsapp