CSL - EXPOSICOES.png
logo-expo__Prancheta 1.png
Barra-de-logos---São-luiz---2021.png
logo-expo__Prancheta-2-01.png

A arte e o sagrado se confundem na vida de todos nós e como mosaicos vão criando a tessitura do ser humano que somos e na minha vida não podia ser diferente. Foi desde a adolescência, na vivência da comunidade cristã e depois no engajamento pastoral e social nas comunidades eclesiais de base que a arte foi se revestindo de cores e através de pequenos pedacinhos de papel foi construindo o ser humano e o artista que hoje sou.

 

As minhas obras nasceram do acaso e da necessidade nas comunidades da periferia, especialmente na Paróquia da Santíssima Trindade, no José Walter, onde trabalhávamos. Precisávamos fazer cartazes para o Evangelho das  celebrações dominicais e com uma técnica de gabarito de letras, que aprendi ainda criança com meu mestre Monsenhor Oscar, comecei a fazer os cartazes, usando revistas velhas e folhas de papel sulfite reaproveitadas. Das letras recortadas ficavam pequenas aparas de papel e para que o cartaz se tornasse esteticamente mais bonito comecei a fazer molduras laterais com essas pequenas sobras geométricas, que na sua maioria eram triângulos, a modo de pequenos mosaicos. Como os tamanhos dos pedaços de papel eram irregulares, precisava unir mais de um recorte para dar o colorido ao mosaico. Foi aí que comecei a ver que poderia criar texturas, degradês e desenhos coloridos e desse modo encontramos a solução para compor os ícones que acompanhariam a frase e o tema da liturgia do domingo, já que não tínhamos dinheiro para comprar tintas. Lembro-me da primeira imagem que fiz: uma Nossa Senhora com um grande manto azul que misturava vários tipos de papel, formando um lindo degradê, que lembrava o céu azul de um dia ensolarado, como o da cidade de Fortaleza. 

 

Passei muito tempo com o meu ser artista guardado. Cola, tesoura e papéis esquecidos em uma gaveta. Começava uma obra e às vezes levava até dois anos para terminá-la e muitas se perderam por conta da fragilidade do material e pelo esquecimento do artista. Eis que em 2020, assolados pela Pandemia da Covid-19,  fomos jogados numa dobra do tempo e foi aí que me deparei novamente com a minha arte e meus pequenos recortes de papel. Durante o isolamento social resolvi retomar obras que estavam inacabadas. 

Com o prolongar da Pandemia, eu e meu companheiro Hélio Pinheiro, resolvemos nos isolar na cidade de Guaramiranga, aos pés do Convento da Gruta de Nossa Senhora de Lourdes, onde se congregam os frades capuchinhos. Em uma volta ao engajamento pastoral e à comunidade cristã comecei a fazer, toda semana, um ícone para ilustrar o evangelho do domingo, dando origem à exposição “KAIRÓS: tempvs Domini”.

 

A minha obra é toda feita de material reciclável. São pequenos pedacinhos de papel que vão sendo colocado e sobrepostos um a um, formando um grande mosaico que retrata os mistérios da encarnação e o mistério do humano que se recicla e se refaz e, que às vezes se quebra em pedacinhos e precisa se colar de novo para continuar a caminhada. Diante do convite do Cineteatro São Luiz, para expor minhas obras, vejo que a arte e o sagrado seguem se fundindo na vida de todos nós. 

 

Essa exposição é feita de pequenos pedaços de papel que formam um todo colorido. Desta forma é necessário agradecer a cada pessoa que como “pedacinhos de papel coloridos” contribuíram para essa exposição. Aos meus amigo-irmãos que escreveram palavras tão afetuosas no texto que apresentam a exposição: Andrea Muraro, Cleudene Aragão, Frei Lopes, Lucineudo Irineu e Padre Silvio Lima. Ao meu companheiro Hélio Pinheiro pelas lindas palavras sobre São Francisco e pela presença-presente em todos os momentos. À direção do Cineteatro São Luiz na pessoa de José Alves Netto e Lucinha Rodrigues. À equipe técnica, pelo carinho e atenção durante o processo.

Nixon Araújo, artista

Vivemos um tempo em que parecemos estar estagnados, mas ao olharmos as imagens- colagens de Nixon Araújo, a sensação é de movimento. A técnica, ao dispor as pequeninas partes de papel, são sempre iluminadas pela recolha das cores, colocando-nos, os nós- observadores apreciadores -, diante de vitrais, como se estivéssemos dentro de antigas catedrais, antigos templos, que nos fazem percorrer um caminho para dentro de nós mesmos, a luz nos atravessa e nesse movimento, as imagens-colagens passam também a ser parte de nós. Daí, a trajetória da iluminação e do sagrado.

Andrea Muraro, professora da UNILAB

GUILHERME SILVA-9.jpg

LUZES DO NATAL:

UM MENINO NOS FOI DADO

A experiência do Natal em Família é tão diversa como o é a própria constituição da família em si tal como vemos retratado, com sensibilidade e afeto, em Mosaicos de papel: experiência do Sagrado, do artista Nixon Araújo. Como pai adotivo que abre seu coração e seu lar para receber amor do filho, José nos ensina o valor da adoção como fonte de afeto incondicional. E assim seguem as famílias no Advento de seus lares, entre cortes e recortes de afetos, como nas obras que vemos aqui. Vida longa a seu artista!

 

Lucineudo Irineu, 35 anos, pai do Messias e do Jonas, adotados aos 07 e aos 13 anos respectivamente.

GUILHERME SILVA-10.jpg

A ESPERA
35cmx115cm

GUILHERME SILVA.jpg

ANUNCIAÇÃO
35cmx94cm

GUILHERME SILVA.jpg

NOSSA SENHORA DA ALEGRIA
47cmx18cm

GUILHERME SILVA-15_edited.jpg

MAGNIFICAT
127cmx212cm

GUILHERME SILVA-9.jpg

SANTOS REIS
56cmx40cm

GUILHERME SILVA-6.jpg

SAGRADA FAMÍLIA
DE NAZARÉ

37cmx53cm

KAIRÓS:

TEMPVS DOMINI

Retalhos, pedaços, porções do todo, foram a primeira linguagem humana escrita em forma de arte. Compor um texto visual continua a ser o que há de mais subtil e criativo na era da imagem digital. A obra de Nixon Araújo consegue ainda a proeza de falar, para além do humano, daquela “Beleza que salvará o mundo “no dizer de Dostoiévski, ao citar o Divino. A arte paleocristã foi o principal meio de catequese e experiência espiritual dos que creram em Cristo. Este “fio de luz” continuou pelos milênios através dos ícones multicolores do Oriente, vitrôs e rosáceas românicas e medievais até à profusão de luz e calor dos afrescos. De algum modo e em todos os pedacinhos reconstruindo figuras e transpirando luz, cor, beleza e forma, o artista junta “os tais caquinhos do Velho Mundo” com traços do Novo, hodierno, diverso e sempre metamorfósico imaginário humano e divino. Também nos sombrios dias pandêmicos a Beleza salva o mundo. Do artista e o nosso.”

(Frei Francisco Lopes Neto, OFMCap *Doutor em Teologia e Comunicação)

GUILHERME SILVA-2.jpg

O PENITENTE
44cmx76cm

GUILHERME SILVA-3.jpg

O DESERTO
37cmx73cm

GUILHERME SILVA-4_edited.jpg

A TRANSFIGURAÇÃO
37cmx85cm

GUILHERME SILVA-5.jpg

OS VENDILHÕES
DO TEMPLO 

43cmx75cm

GUILHERME SILVA-6.jpg

JESUS E NICODEMOS 
43cmx53cm

GUILHERME SILVA-9.jpg

O GRÁO DE TRIGO
46cmx74cm

GUILHERME SILVA-7.jpg

OS RAMOS E O BURRINHO
68cmx42cm

GUILHERME SILVA-8.jpg

O LAVA PÉS
46cmx52cm

GUILHERME SILVA-10.jpg

O CRUCIFICADO
65cmx52cm

GUILHERME SILVA-11.jpg

RESSUSCITADO
65cmx52cm

GUILHERME SILVA-11.jpg

O JARDINEIRO
28cmx107cm

GUILHERME SILVA-12.jpg

OS DISCÍPULOS DE EMAÚS
63cmx29cm

GUILHERME SILVA-13.jpg

O BOM PASTOR
39cmx70cm

GUILHERME SILVA-4.jpg

O SENHOR DAS MISERICÓRDIAS
55cmx35cm

GUILHERME SILVA-19.jpg

O ESPÍRITO SANTO
44cmx82cm

GUILHERME SILVA-18.jpg

A ASCENSÃO
44cmx82cm

MÃE DE DEUS

MATER DEI

“Mãe do céu morena, Senhora da América Latina, em tuas belas versões nascidas das mãos do artista Nixon Araújo, olha por nós! Nossa Senhora de Aparecida,  de Guadalupe, de Todas as Cores, do Carmo, do Silêncio, da Alegria... tantas formas em que o Divino habita em nós, ilumina as terras massacradas desse Brasil!

 

Ancorado em suas vivências em comunidade, nas utopias que nutrimos as crias de Freire e Boff, Nixon materializa essas Marias, singelas e sofisticadas, profundamente humanas, formadas de mosaicos como todos nós, perpassadas como nós pelos momentos da História, clamando como nós por justiça para os pequeninos.  Papel que conta histórias, papel que desenha traços, papel que flutua, papel que emociona, roga por nós!”

 

Cleudene Aragão, professora da UECE e escritora

GUILHERME SILVA-2.jpg

NOSSA SENHORA DE APARECIDA
58cmx30cm

GUILHERME SILVA-5.jpg

NOSSA SENHORA DE GUADALUPE
66cmx31cm

GUILHERME SILVA-16.jpg

NOSSA SENHORA DE TODAS AS CORES
70cmx53cm

GUILHERME SILVA-3.jpg

NOSSA SENHORA DO CARMO
69cmx29cm

CRISTO, OS SANTOS E OS ARCANJOS

Contemplação: dom do Espírito Santo! Deus em Sua Infinita Bondade compartilhou com o homem a capacidade de admirar tudo que Ele mesmo criou e viu que era bom (Cf. Gn 1). Neste misterioso e esplêndido dom, o Espírito Santo dá ao espírito humano a “criação artística”, o “Artista Eterno” chama o ser humano a participar de Seu Amor e comunicar ao mundo a contemplação do próprio Deus que se autorrevela à humanidade, mas, também do contemplar tudo que Ele criou, todas as coisas visíveis e invisíveis. 

Neste sentido, nos recorda São João Paulo II, “quanto mais consciente está o artista do « dom » que possui, tanto mais se sente impelido a olhar para si mesmo e para a criação inteira com olhos capazes de contemplar e agradecer, elevando a Deus o seu hino de louvor. Só assim é que ele pode compreender-se profundamente a si mesmo e à sua vocação e missão.” (Carta aos Artistas, 04.04.1999). 

Nas obras de Nixon, pelo dom que Deus lhe deu, podemos ser conduzidos ao despertar do encantamento divino. Abre-nos  ao encontro com Deus que se revela no Verbo Encarnado, que passa fazendo o bem, Ele é o Crucificado-Ressuscitado. Contemplamos o invisível: os anjos que são enviados por Deus como mensageiros, guardiões que acompanham o povo, testemunhas e intercessores diante de Deus e fortes lutadores em defesa da vida. Contemplamos os santos: admiráveis homens e mulheres que pela própria vida doada de diversos modos são raios de luz que irradiam o amor divino por cada pessoa. 

Em sintonia com a convocação do Papa Francisco com o cuidado da Casa Comum na encíclica Laudato Si, o conjunto artístico de Nixon renova o compromisso ecológico no diálogo respeitoso e transformador entre Arte-Ambiente, Existência-Reciclagem, Degradação-Contemplação, Cores-Sacro, Piedade-Ecologia. 

Relembro um trecho do discurso do Papa Francisco aos membros do movimento “Diaconia da Beleza”: “Num mundo onde a técnica é com frequência entendida como o principal recurso para interpretar a existência (cf. Laudato si, 110), com os vossos talentos e haurindo das fontes da espiritualidade cristã, sois chamados a propor «uma forma alternativa de entender a qualidade de vida, encorajando um estilo de vida profético e contemplativo, capaz de gerar profunda alegria sem estar obcecado pelo consumo» (ibid., 222), e a servir a criação e a salvaguarda de “oásis de beleza” nas nossas cidades muitas vezes cimentadas e desalmadas. Sois chamados a conhecer a gratuitidade da beleza.” (24.02.2018).

Minha gratidão por nos ajudar a perceber a grandeza inefável de Deus, por nos reaproximar pela contemplação do Belo e da beleza, por ser construtor de pontes num mundo que exclui criando muros, por nos capacitar pela arte a reconhecer a dignidade do ser humano. Seja sempre dócil ao Espírito Santo, deixando Ele vos guiar, e estando ao serviço d’Ele e da humanidade. 

Padre Silvio Lima, Padre da Arquidiocese de Fortaleza - Centro de Spiritualità di Comunione - Movimento dos Focolares - Loppiano,Florença, Itália.

 

GUILHERME SILVA-12.jpg

O CORAÇÃO DE JESUS
50cmx32cm

GUILHERME SILVA-8.jpg

PAXVOBIS
55cmx62cm

GUILHERME SILVA-16.jpg

SÃO MIGUEL E O DRAGÃO
70cmx93cm

GUILHERME SILVA-7.jpg

SÃO MIGUEL
43cmx30cm

GUILHERME SILVA-17.jpg

SÃO JOSÉ AZUL
51cmx71cm

GUILHERME SILVA-14.jpg

SÃO JOSÉ NEGRO
40cmx30cm

GUILHERME SILVA-13.jpg

SANTO AGOSTINHO E A FELICIDADE
55cmx40cm

GUILHERME SILVA-15.jpg

São Francisco, o pobrezinho de Assis, o pobrezinho de todos nós. Uma das grandes figuras da espiritualidade na história do cristianismo está materializada nas obras do artista Nixon Araújo. A opção de São Francisco pela pobreza e pela ecologia, aqui entendida como uma prática de genuína frugalidade, de não ostentação e não consumismo, se reflete na obra do artista que constrói, a partir de pequenos pedaços de papel reaproveitado, cenas que mostram a comunicação que o Santo dos pobres tinha com a natureza e de modo especial com os animais. O artista Nixon Araújo, por meio dos seus mosaicos de papel, nos convida a refletir sobre o exemplo de respeito autêntico e pleno pela integridade da criação deixado por São Francisco.

Hélio Pinheiro, Professor da UFC e tradutor público

SÃO FRANCISCO E O PASSARINHO
40cmx27cm

O ARTISTA

NIXON ARAÚJO

4182.JPG

Artista visual e produtor cultural. Trabalha com colagem desde quando era agente de pastoral nas Comunidades Eclesiais de Base e na Catequese do Conjunto Habitacional Prefeito José Walter. Aprendeu a fazer os cartazes, a partir de revistas velhas, que ecoavam a Palavra da Boa Nova e que com o tempo foram se transformando em pequenos mosaicos de papel que davam cor e vida aos ícones, com cenas do Evangelho do Domingo, celebração da partilha e da luta da Comunidade. Já desenvolveu trabalhos e oficinas de colagens com a técnica Mosaicos de Papel na Secretaria de Cultura do Estado do Ceará, Secretaria Municipal de Cultura de Fortaleza, Universidade da Integração da Lusofonia Afro Brasileira, Editora Casa do Conto, Associação dos Amigos de Guaramiranga, Bienal Internacional do Livro e Salão de Abril do Ceará.

 

Imagem Chico Gomes.

AGRADECIMENTOS

 

Esta exposição é feita de pequenos pedaços de papel que formam um todo colorido. Desta forma gostaria de agradecer a cada pessoa que, como “pedacinhos de papel coloridos”, contribuiu para a sua realização: 

Aos meus amigos-irmãos que escreveram palavras tão afetuosas nos textos que apresentam a exposição: Andrea Muraro, Cleudene Aragão, Frei Lopes, Lucineudo Irineu e Padre Silvio Lima. 

Ao meu companheiro, pelas lindas palavras sobre São Francisco e pela presença-presente em todos os momentos: Hélio Pinheiro.

À direção do Cineteatro São Luiz, na pessoa de José Alves Netto e Lucinha Rodrigues. 

À equipe de produção, pelo carinho e atenção durante o processo de construção da exposição: Rodrigo Gadelha, Guilherme Silva, Mairla Ferreira, Nefertith Andrade e Yule Bernardo.

E ao meu mestre na arte e no sagrado: Monsenhor Oscar Peixoto Filho (In Memoriam).

logo-expo__Prancheta-2-01.png

FICHA TÉCNICA

Produção Executiva

Nefertith Andrade

Curadoria

Mairla Costa e Rodrigo Gadelha

Fotografia

Guilherme Silva

 

Montagem e Design

Yule Bernardo

Assessoria de Imprensa

Monique Linhares