top of page

Nonato Luiz (CE) e Quarteto de Cordas Iguaçu (PR) em Concerto "Choro dos Arcos"

O violonista, arranjador e compositor Nonato Luiz retorna aos palcos em sua primeira apresentação em Fortaleza após a pandemia, no domingo, 1º de outubro, às 18h, no Cineteatro São Luiz, da Rede Pública de Equipamentos Culturais da Secretaria da Cultura do Ceará (Secult CE), gerido pelo Instituto Dragão do Mar (IDM). Ingressos no site Sympla e na bilheteria do Cineteatro São Luiz.


Na ocasião, Nonato Luiz apresentará o "Concerto Choro dos Arcos", ao lado do Quarteto Iguaçu, grupo com quase 40 anos de atividades e que faz parte da Orquestra Sinfônica do Paraná. Integrante do quarteto e da orquestra, o violonista cearense radicado no Paraná José Maria Magalhães, fã de Nonato Luiz desde 1985, realiza o sonho de tocar com Nonato em Fortaleza, e ainda na belíssima atmosfera do Cineteatro São Luiz, em pleno coração da cidade.

Foto: Divulgação


O Quarteto Iguaçu foi fundado em 1984 e já iniciou sendo premiado em festival. Desde então, são quase quatro décadas de divulgação da música erudita brasileira e internacional, além de diferentes estilos, passando também pela música popular e por concertos didáticos, em que a plateia é presenteada também com informações sobre as obras e os compositores interpretados. O quarteto gravou cinco discos: "Encontro de Gerações" (1995), "Grandes Momentos" (1997), "Minha Poesia, Meu Canto" (2002), "A Janela da Vida" (2003) e "Música de Cena" (2007), além de um álbum dedicado a clássicos do rock, lançado nas plataformas digitais.


Composto por dois violinos, um violoncelo e uma viola de arco, o Quarteto Cordas do Iguaçu tem todos os seus integrantes também como músicos da Orquestra Sinfônica do Paraná. José Maria Magalhães é violista, fundador do projeto Orquestra Cordas do Iguaçu e do Quarteto Iguaçu. Além dele, vêm ao Ceará, para o concerto no Cineteatro São Luiz, Guilherme Calebe Martin e João Alexandre Stein (violinos) e Romildo Weingartner (violoncelo).


Nonato Luiz é um mestre dos mestres do violão do Brasil e do mundo. Um esteta, um criador, uma escola, realizador do desejo de todo artista, de encontrar uma linguagem própria, pessoal, característica, inconfundível, inigualável. Tanto suas composições quanto seu modo de interpretar ao violão suas criações e as de outros autores são preciosidades da cultura e da arte do Ceará para vários países, com Nonato há muito se dedicando a concertos no exterior, todos os anos, consciente desde cedo da necessidade de "partir pra poder voltar", para levar seu violão e suas músicas a inúmeros outros lugares, conquistando reconhecimento nacional e internacional.


Nascido em Lavras da Mangabeira, Nonato começou a tocar aos quatro anos e aos 15 já tocava violino em orquestra em Fortaleza. Mas optou pelo violão para dar continuidade a seu caminho musical. Desde cedo decidido a afirmar-se como compositor, ganhou seu primeiro prêmio em um concurso de violão na TV Tupi, em São Paulo. Seu primeiro álbum, "Terra", teve participações de Fagner e João Donato. Gravou também uma homenagem a Pablo Picasso com Mercedes Sosa, Paco de Lucia e Rafael Alberti.


Suas composições já foram gravadas por violonistas do Brasil, da República Tcheca, dos Estados Unidos, da Inglaterra, China, Argentina, Alemanha, Áustria e França, entre outros. Um caderno de partituras de suas composições, “Suíte Sexta em Ré Para Guitarra”, foi publicado pela Henry Lemoine em Paris. Nonato Luiz mistura e destila elementos populares e clássicos diferentes – desde forró ao jazz, da bossa nova ao blues, do baião ao Barroco e ao Choro – mantendo-se fiel às suas raízes nordestinas.


Além de composições feitas individualmente ou em parceria com letristas como Abel Silva, Fausto Nilo, Sérgio Natureza e Capinam, Nonato Luiz também já se apresentou ou gravou ao lado de instrumentistas consagrados como Turíbio Santos, Darcy Villa Verde, Paco de Lucia, Pedro Soler, Radamés Gnattali, Tulio Mourão, Egberto Gismonti, Dominguinhos, além de artistas como Nara Leão, Chico Buarque, Zélia Duncan, Ed Motta, Amelinha, dentre outros. Um artista que alcançou esse patamar sem auxílio governamental ou da mídia “massiva”, seguindo com seu inseparável violão, carregando a bandeira da música brasileira e nordestina, ao mesmo tempo em que segue criando, semeando sua arte de dimensões universais.


O encontro com o Quarteto Iguaçu

Mas como os caminhos musicais de Nonato Luiz se cruzaram com os da Orquestra Iguaçu? A resposta remete ao ano de 1980, quando o fortalezense José Maria foi ao tradicional Festival de Campos de Jordão, interior paulista, tocar com a Orquestra do Sesi. Ali encontrou o violonista cearense, e o impacto foi imediato! "Fiquei apaixonado pela música do Nonato. Me tornei o fã número dois, porque a fã número um era a mãe dele", revela José Maria, hoje violista da Orquestra Iguaçu, da qual faz parte o quarteto de mesmo nome.


O artista, que em 1985 se mudou para Curitiba e que há tempos desenvolve um projeto social por meio da música no Paraná, passou a tocar várias composições de Nonato Luiz, transformando-se em uma espécie de embaixador da música do conterrâneo, no sul do Brasil. Viria mais tarde o convite para que Nonato Luiz se apresentasse no Paraná, com a Orquestra Iguaçu. O encontro mais recente se deu em abril, quando a orquestra tocou para Nonato o "Baião cigano", de autoria do violonista cearense, passando então a dividir o palco com o artista.


Agora, Nonato Luiz retribui o convite, por intermédio do Cineteatro São Luiz, trazendo o Quarteto Iguaçu, que faz parte da orquestra, para a apresentação em 1o. de outubro, domingo, às 18h, em Fortaleza.


"O concerto mais recente que fiz em Fortaleza, antes da pandemia, foi o 'Serenatas Brasileiras'. Justamente no Cineteatro São Luiz. Vai ser um reencontro maravilhoso com o palco do São Luiz e com esse amigo querido, José Maria, e os demais integrantes do Quarteto Iguaçu. Todos estão convidados para uma apresentação muito, muito especial", enfatiza Nonato Luiz.


Repertório primoroso

O "Choro dos Arcos", que dá título ao espetáculo, remete tanto aos arcos utilizados pelos instrumentistas de cordas do Quarteto Iguaçu quanto a uma composição de Nonato, gravada nos discos "Choro da Madeira" e no "Choro em Sonata". No repertório especialmente preparado para o concerto no Cineteatro São Luiz, outros grandes clássicos da obra de Nonato, como sua "Ave maria" e o "Choro acadêmico".


"Nonato é tão bom compositor quanto instrumentista. Virei fã tanto das composições quanto da interpretação. Sempre tive esse sonho de tocar com ele. É um dos maiores violonistas do mundo!", ressalta José Maria, que em 1985 se mudou para Curitiba, ingressou na Orquestra Sinfônica do Paraná e criou um grande projeto social, com orquestra, no estado da região Sul.


"Fizemos com Nonato essa parceria que deu muito certo, em apresentações excelentes!. E agora vou realizar outro sonho, de tocar em Fortaleza, com o Quarteto Iguaçu, a obra do Nonato. Os arranjos que foram feitos para o quarteto têm encantado todo mundo". Que o mesmo aconteça em Fortaleza, no domingo, 1o. de outubro, às 18h, no Cineteatro São Luiz.



<< SERVIÇO >>


[MÚSICA] Nonato Luiz e Quarteto Iguaçu - Concerto "Choro dos Arcos"

Data: 01 de outubro de 2023 (Domingo) | Horário: 18h | Classificação indicativa: Livre | Duração: 80min

Ingressos: R$ 60,00 inteira e R$ 30,00 meia

Local: Cineteatro São Luiz (R. Major Facundo, 500, Centro)

Horário de funcionamento da bilheteria: Terça a Sexta - 9h30 às 18h / Sábado – 9h30 às 17h. Horários sujeitos a alterações, de acordo com a programação. Telefone para contato: (85) 3252.4138


Comentarios


bottom of page